terça-feira, 25 de novembro de 2008

Pantera...

Afio minhas garras em suas costas largas...

Deixo-a em êxtase profundo ao marcá-la com minhas unhas prateadas...

Sou sua Dona.. não fuja de mim... sua devassa...

Ouví suas preces... você me pediu de presente...

Ouví seus gemidos ao sentir sua carne arranhada... no ápice do prazer...

Eu cheguei...
te tomei...
te provei e te guardei para mim....

Sou sua Dona.. não fuja de mim ...sua devassa...

Sua Bela Pantera está de garras afiadas... para fazer-lhe urrar de prazer ao sentir sua carne marcada... com a minha loucura e paixão...

4 comentários:

Grace Butch disse...

Devassa??????hum.humm...
Vc sabe que ja marcou minhas costas e meu coraçao com suas garras d Pantera no cio...
Te aceito em minha selva...minha Bela Pantera...

Grace Butch disse...

Vc,minha Pantera é a prisão da qual não almejo fugir jamais...

Coração Vulgar disse...

Deu vontade de ler este poema escutando Tigresa...

E com as unhas, mesmo que bem curtinhas que marcamos o outro no desejo de nunca mais desgrudar, no desejo da eternidade, no desejo incontrolável e ardente do momento...

:)

de mulher pra mulher disse...

Oi primeira vez que venho aqui adorei tudo!!
obrigada pelo link:) está linkada tb lá em meu blog :)
uma noite de muita paz!!
beijos em seu coração
.
.
Sandrinha